Princípios da Agroecologia

Agricultura sustentável tem que considerar aspectos socioeconômicos e culturais dos grupos sociais implicados. Não basta proteger e melhorar o solo ou a produtividade agrícola se não resulta em melhorias nas condições de vida das pessoas envolvidas. Portanto, agricultura sustentável é um conceito que implica aspectos políticos e ideológicos que tem a ver com o conceito de cidadania e libertação dos esquemas de dominação impostos por setores de nossa própria sociedade e por interesses econômicos de grandes grupos, de modo que não se pode abordar o tema reduzindo outra vez as questões técnicas.

Francisco Roberto Caporal

http://www.aba-agroecologia.org.br/

grãos

"Muita gente pequena, em muitos lugares pequenos, fazendo coisas pequenas, mudarão a face da Terra". provérbio africano

BANIR AGROTÓXICOS.

Assine o Abaixo-Assinado virtual que pede o banimento dos agrotóxicos já proibidos em outros países do mundo e que circulam livremente no Brasil.

A Campanha tem o objetivo de alertar a população sobre os perigos dos agrotóxicos, pressionar governos e propor um modelo de agricultura saudável para todas e todos, baseado na agroecologia.

Assine já, pelo banimento dos banidos! Entre no link abaixo.

GLOBAL DAY OF ACTION TO CUT CONFLICT PALM OIL! > MAY 20

http://www.ran.org/globaldayofaction">

CICLOVIDA Completo

Como os lobos mudam rios

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Indios e Midia Digital

Indigenous Engagement with Digital and Electronic Media: InDigital Conference at Vanderbilt University, March 26-28

A cartoon by Gary Larson from 1984 shows natives in grass skirts rushing to hide TV, VCR and telephone before the anthropologists arrive. As these devices have become smaller, cheaper, and more widely available, the penetration of electronic media into indigenous cultures has only grown.


Native peoples of the Amazon and elsewhere in Latin America have become engaged consumers of electronic media, while also making use of video cameras, cell phones and laptops to create and transmit their own artistic and cultural productions and political views. The results can be complex and surprising, ranging from videos about traditional ceremonies to catchy electronic music and even a native-language cover of the Beatles. Among the works made by Kayapó film makers I trained as part of an indigenous media project at the Goeldi Museum in Brazil are films documenting tug-of-war at an interethnic sports competition; a professional soccer game in Rio de Janeiro; the “Miss Kayapó” beauty contest at a local fairground; and a concert by the indigenous pop star Bepdjyre, who composes his own lyrics in Kayapó but sets them to popular Brazilian dance rhythms.


Bepdjyre's stage show includes Kayapó girls showing off sensual dance movesgleaned from watching TV and DVDs.

This conference, sponsored by Vanderbilt and Middle Tennessee University, brings together anthropologists, media scholars and indigenous filmmakers to reflect on the appropriations and interpretations of digital media by indigenous peoples, and to discuss the transformations this use of technology is bringing about.

The "Miss Kayapó" beauty contest captured by film maker Tatajere.

Faye Ginsberg of the Center for Media, Culture and History at New York University will give the keynote address at the event. Indigenous filmmaker Takumã Kuikuru and Brazilian anthropologist Carlos Fausto present their documentary “The Hyper-Women,” which follows a village on the Upper Xingu River as it strives to rescue, rehearse and host a traditional song festival before the last woman who knows the repertoire dies. The film has won several international awards including the Jury Prize at Brazil’s prestigious Gramado Festival, Best Film at the Curitiba International Film Festival and Best Documentary at the Hollywood Brazilian Film Festival. Kayapó film makers Bepunu and Krakrax will show works produced on their own village-based laptop editing suites as part of the Goeldi Museum media project, and Richard Pace of Middle Tennessee University will present results of a study financed by the National Science Foundation on the uses and impacts of satellite TV, DVD players and cell phones in a Kayapó village.
 
Conference registration is open through February 16. For more information, visit vanderbilt.edu.

Updated from the original posting by The New York Review of Books.

Fonte: http://ethnoground.blogspot.com.br/

Protec-An-Acre - Rainforet Action Network

Protect-An-Acre

Since 1993, RAN’s Protect-an-Acre program (PAA) has distributed more than one million dollars in grants to more than 150 frontline communities, Indigenous-led organizations, and allies, helping their efforts to secure protection for millions of acres of traditional territory in forests around the world.
ppa_bayutreeplanting_550x735.png
Indonesia's Friends of the National Parks Foundation staff teach community members how to plant trees on the edge of Tanjung Puting National Park on Borneo. Photo credit: FNPF
Rainforest Action Network believes that Indigenous peoples are the best stewards of the world’s rainforests and that frontline communities organizing against the extraction and burning of dirty fossil fuels deserve the strongest support we can offer. RAN established the Protect-an-Acre program to protect the world’s forests and the rights of their inhabitants by providing financial aid to traditionally under-funded organizations and communities in forest regions.
Indigenous and frontline communities suffer disproportionate impacts to their health, livelihood and culture from extractive industry mega-projects and the effects of global climate change. That’s why Protect-an-Acre provides small grants to community-based organizations, Indigenous federations and small NGOs that are fighting to protect millions of acres of forest and keep millions of tons of CO2 in the ground.
Our grants support organizations and communities that are working to regain control of and sustainably manage their traditional territories through land title initiatives, community education, development of sustainable economic alternatives, and grassroots resistance to destructive industrial activities.
paa_bayuteaching_550x412.png
Indonesia's Friends of the National Parks Foundation staff educate children about interacting with wildlife around Tanjung Puting National Park on Borneo. Photo credit: FNPF
PAA is an alternative to “buy-an-acre” programs that seek to provide rainforest protection by buying tracts of land, but which often fail to address the needs or rights of local Indigenous peoples. Uninhabited forest areas often go unprotected, even if purchased through a buy-an-acre program. It is not uncommon for loggers, oil and gas companies, cattle ranchers, and miners to illegally extract resources from so-called “protected” areas.
Traditional forest communities are often the best stewards of the land because their way of life depends upon the health of their environment. A number of recent studies <-Needs link add to the growing body of evidence that Indigenous peoples are better protectors of their forests than governments or industry.
Based on the success of Protect-an-Acre, RAN launched The Climate Action Fund (CAF) in 2009 as a way to direct further resources and support to frontline communities and Indigenous peoples challenging the fossil fuel industry.
Additionally, RAN has been a Global Advisor to Global Greengrants Fund (GGF) since 1995, identifying recipients for small grants to mobilize resources for global environmental sustainability and social justice using the same priority and criteria as we use for PAA and CAF.
Through these three programs each year we support grassroots projects that result in at least:
  • 10,000 acres of forest, held in customary ownership by Indigenous groups, is entered into the process of securing official land title recognition, providing communities with legal grounds to protect their traditional territories.
  • 10,000 trees planted, often as buffer zones around protected areas and/or as part of income and resource-generating permaculture projects that help stop land degradation.


Entrelaçamento quântico é finalmente posto dentro de um chip


Redação do Site Inovação Tecnológica - 05/02/2015
Entrelaçamento quântico é finalmente posto dentro de um chip
Os fótons oriundos de um laser ficam girando em torno do anel, sendo reemitidos aos pares, com um elevado percentual dos pares já saindo entrelaçados. [Imagem: Università degli Studi di Pavia]
Entrelaçamento integrado
Davide Grassani e seus colegas da Universidade de Pavia, na Itália, criaram um componente capaz de gerar direta e continuamente pares de fótons entrelaçados.
Os fótons entrelaçados ficam intrinsecamente "conectados" um ao outro, e tudo o que acontece a um alterará imediatamente o outro, qualquer que seja a distância que os separe.
Este é um elemento fundamental para a criação dos computadores quânticos, e sua integração no interior de um chip de silício promete simplificar muito todo o trabalho de leitura e escrita dos qubits, os bits quânticos.
Ressonadores em anel
O componente utiliza uma tecnologia já bem conhecida, chamada microanel ressonador, utilizada em diodos ópticosredes wireless a laser,microaceleradores de partículas e em experimentos de plasmônica, entre muitas outras aplicações.
Tipicamente, esses ressonadores capturam a luz, fazendo-a ficar dando voltas, e reemitem fótons com propriedades que podem ser ajustadas pelo projeto do componente. Neste caso, os fótons oriundos de um laser ficam girando em torno do anel, sendo reemitidos aos pares, com um elevado percentual dos pares já saindo entrelaçados.
"A principal vantagem da nossa nova fonte é que ela é ao mesmo tempo pequena, brilhante e feita de silício. O diâmetro do anel ressonador é de meros 20 micrômetros. Fontes anteriores eram centenas de vezes maiores do que a que desenvolvemos," disse o professor Daniele Bajoni, coordenador da equipe.
Os geradores de fótons entrelaçados até agora eram feitos sobretudo de cristais especiais e, com vários milímetros de diâmetro, inadequados portanto para serem inseridos no interior de chips.
Bibliografia:

Micrometer-scale integrated silicon source of time-energy entangled photons
Davide Grassani, Stefano Azzini, Marco Liscidini, Matteo Galli, Michael J. Strain, Marc Sorel, J. E. Sipe, Daniele Bajoni
Optica
Vol.: 2, 1, 88-94
DOI: 10.1364/OPTICA.2.000088

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Educação Ambiental,Agrobiodiversidade e Politica Ambiental

A Oca-Laboratório de Educação e Política Ambiental  e o NACEPTECA convidam:

Abertura Ciclo de Diálogos: Educação Ambiental, Agrobiodiversidade e Geopolítica

"Queremos aprofundar sobre o campo da EA no contexto político nacional e internacional.  Buscamos promover diálogos que contribuam para a formulação e implantação de políticas públicas comprometidas com a transição para sociedades sustentáveis. Este evento será a abertura de um ciclo atividades periódicas de reflexão conjunta com participação de pessoas com relevante contribuição no campo do ambientalismo, da política pública, da análise geopolítica e da educação."

Inscrição gratuita:  dialogosea@gmail.com





__._,_.___


quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Cimi repudia declarações da ministra Kátia Abreu

Cimi repudia declarações da ministra Kátia Abreu
O Conselho Indigenista Missionário manifesta um veemente repúdio às declarações que a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu (PMDB-TO) deu em entrevista publicada neste dia 05 de janeiro de 2015 no Jornal Folha de S. Paulo.
A ministra mais uma vez defende a Proposta de Emenda Constitucional 215/00 e tenta deslegitimar o direito dos povos indígenas sobre suas terras tradicionais arguindo a tese absurda de que “os índios saíram da floresta e passaram a descer nas áreas de produção”. Uma afirmação tão descabida e desconectada da realidade do nosso país só pode ser fruto de uma total ignorância e de uma profunda má fé. Quem realmente conhece a história de nosso país sabe que não são os povos indígenas que saíram ou saem das florestas. São os agentes do latifúndio, do ruralismo, do agronegócio que invadem e derrubam as florestas, expulsam e assassinam as populações que nela vivem.
A “rainha da motosserra”, como a ministra da Agricultura também é conhecida, passa inclusive por ridícula ao negar o direito dos povos lembrando que “o Brasil inteiro era deles”. Não é digno de quem foi chamada a ser ministra de Estado do Brasil propagar a ideia caricata de que os povos indígenas estariam reivindicando “o Brasil inteiro”. A Constituição Federal de 1988 garante o direito dos povos indígenas sobreviventes dos seculares massacres às terras tradicionalmente habitadas por eles, como garantia para a sua sobrevivência física e cultural. É no mínimo uma atitude esdrúxula de quem mal assumiu o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento vir a público com insinuações desrespeitosas à Lei Suprema do País. Não satisfeita em atacar, bem no início do “novo” governo Dilma, os povos indígenas, a representante do latifúndio tenta ainda pôr uma “pá de cal” sobre o inexistente processo de reforma agrária no Brasil e esgrime descaradamente a tese de que no Brasil não existiria mais latifúndio.
Com essa entrevista a ministra Kátia Abreu, além de revelar prepotência e cinismo, demonstra claramente que está no governo Dilma para pisotear os direitos daqueles que lutam pela distribuição equânime da terra, pelos direitos dos povos indígenas, quilombolas, comunidades tradicionais, camponeses e pelo meio ambiente. A ministra confessa sem meias palavras que assumiu sua pasta para defender o latifúndio e os privilégios que o governo tem concedido ao agronegócio.
A presidente Dilma Rousseff não se deixou impressionar pelas manifestações contrárias de amplos setores da sociedade brasileira à nomeação de Kátia Abreu, inimiga declarada dos povos indígenas, quilombolas, comunidades tradicionais, camponeses e do meio ambiente. Com a entrevista ficou evidente que as preocupações e os temores destes setores com o novo governo Dilma são legítimos e justificáveis.
O latifúndio, o ruralismo e o agronegócio não têm limites. Diante de tamanha insensatez e insensibilidade, não resta outra alternativa aos povos senão dar continuidade ao processo de articulação, mobilização e luta em defesa de suas terras e de suas vidas.
Brasília, DF, 05 de janeiro de 2015.
Dom Erwin Kräutler
Bispo do Xingu e Presidente do Cimi
Emília Altini
Vice-Presidente do Cimi
Cleber César Buzatto
Secretário Executivo do Cimi

domingo, 5 de outubro de 2014

Gratidao, Neide Rigo!

Posted: 04 Oct 2014 03:06 AM PDT
Ontem ultrapassamos fronteiras e nos embrenhamos por outros rincões do Sertão de São Francisco.  Estivemos em Curaçá, município vizinho de Uauá e visitamos uma escola rural, um pequeno criador de frangos e uma horta comunitária.

Chegamos à escola bem na hora da merenda e os alunos comiam um prato de macarrão branquelo e mole com umas lascas de sardinha em lata. Fiquei impressionada de ver a dispensa: mistura pronta pra arroz doce, mistura pronta pra risoto, mistura pronta pra curau, sacos de leite em pó, açúcar, sardinha, massa de tomate, macarrão, biscoito, mistura para cuscuz. As misturas, todas elas com acréscimo de gordura vegetal hidrogenada, corantes, conservantes, acidulantes e aromatizantes. O cardápio pregado na parede já é pobre nutricionalmente, mas o que se pratica é ainda pior, é feito do que é possível. Diretoras e merendeiras têm que fazer das tripas coração para conseguir fazer alguma comida com aqueles produtos da dispensa. Para ganhar algum ar de comida, trazem alho, coentro e cebola de casa.  As merendeiras não têm capacitação e trabalham sem uniforme, com unhas grandes e pintadas,  com cabelo solto, em cozinhas precárias, com geladeira doméstica, quando tem. Algumas trabalham em várias funções. Algumas tratam os alunos com delicadeza, outras, servem a comida como quem dá comida aos porcos.  Com as mãos,  uma merendeira de uma escola que visitei pega um lanche seco e entrega displicentemente aos alunos - vi um pão aberto, seco, recheado com uma única fatia de mortadela, por exemplo. Em muitas escolas, nem mesa de preparo na cozinha tem.  Refeitório, a maioria não tem. Os alunos pegam os lanches e saem pelo pátio árido e nada acolhedor para abocanhar sua ração. E tratam aquilo não como comida mas apenas como combustível - ou munição -,  por isto não é raro ver guerra de cream cracker, maçãs ou melancia nos páteos.

Nas escolas rurais não chegam produtos da agricultura familiar, pois o município prefere gastar os 30% que lhe cabe nas escolas urbanas, por questão logística. É mais fácil a distribuição de bananas, por exemplo, nas escolas da cidade, pois são todas perto umas das outras. Já as escolas rurais sofrem todos os tipos de castigo e lhes restam estes alimentos pré-prontos. E justo estes alunos são os que moram longe, em fazendas precárias,  sem plantações, com menos acesso a  frutas e verduras, e saem bem cedo de casa, enfrentando longas distâncias de estradas esburacadas.  Às 10 horas eles estão morrendo de fome e o que tem é biscoito com leite diluído com café ou um cuscuz seco com soja (a proteína preferida pois vem seca e não precisa de refrigeração) que é servido com água. Então, aquela história de que a merenda deve suprir 30% das recomendações nutricionais do dia, esqueça.  É inconcebível pensar numa escola rural sem uma horta sequer, sem uma fruta fresca ou um legume ou uma folha, sem um recanto agradável com sombra e mesas para os alunos comerem com dignidade. Mas elas existem e estão espalhadas por todo o Brasil, como aquela de Acrelândia. E depois queremos um mundo melhor, com adultos recheados de valores éticos e morais. Como, se nossas crianças são tratadas e alimentadas desta forma?

Mas, tudo bem, ontem teve bons exemplos também. Conhecemos, na comunidade Cachoeira, em Curaçá,  uma horta comunitária tocada por dez famílias com muita gente jovem. O terreno, as sementes e a assistência são doações de uma mineradora da região, não porque ela é caridosa, mas como forma de minimizar os estragos ambientais que fiz por ali. Mas vou falar das coisas boas. Cada família cuida do seu pequeno espaço de 75 por 9 metros e ali produz, irrigando direto na terra, ou molhando a terra com regador, berinjelas, coentro, repolhos, couves, repolho, mamão, entre outros itens. Berinjela é como se fosse uma panc (planta alimentícia não convencional), porque não tem saída, ninguém sabe o que se faz com ela, e assim amadurece no pé. Jiló e manjericão, a mesma coisa.  O manjericão é plantado só para as abelhas.

Visitamos ainda uma pequena granja onde as galinhas recebem não só milho, soja e complementos minerais e vitamínicos, mas também folhas de leucena e mamões plantados só pra elas ali na propriedade,  que se vira sem energia elétrica. Algumas fotos.


Pedras abundantes do sertão, craibeira florida e jeguinho. E coisa rara por
aqui: céu de chuva 

Delma e seus repolhos 

Antônio ensinando a usar as folhas da cenoura pra
rechear peixe 

Repolhão 

Escola rural 

Hilário, outro jovem que produz em outra comunidade, Antônio, marido de
Delma, e João, da equipe da Coopercuc

Todo mundo tira lasquinha da amburana de cheiro. Medicinal e perfume.

Os umbuzeiros estão floridos

A flor é perfumadíssima e linda 

O manjericão daqui é super perfumado, mas ninguém usa na comida. É mais
uma panc 

Berinjelas amadurecem no pé. Ninguém sabe como comer 

Mesmo o quiabo não tem boa saída 

A granja quase artesanal. A porta do galpão é aberta e elas podem ciscar no
terreno.

fonte: come-se.blogspot.com.br

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Ano Internacional da Agricultura Familiar

La experiencia de éxito en las compras de productos de la agricultura familiar por parte del Estado, para la alimentación escolar en Nicaragua, y siete países más de América Latina y el Caribe fue presentada recientemente en un taller relacionado con el tema, promovido por la Oficina Subregional de la[...]
11/09/2014
País: Nicaragua
Tipo Noticias
La secretaria de Desarrollo Rural del Ministerio de Agricultura, Carla Campos Bilbao destacó que el Mercosur "avanza en protocolos comunes en materia tecnológica" para pequeños productores. En el marco del Año Internacional de la Agricultura Familiar (AIAF), se reunieron este miércoles en la cartera nacional agraria los representantes de la Reunión[...]
11/09/2014
País: Argentina
Tipo Noticias
Tegucigalpa, 8 sep.- Unas 33.000 familias hondureñas han mejorado su estado nutricional los últimos 15 años mediante un programa especial de seguridad alimentaria que la FAO desarrolló en el país con apoyo de España, informó hoy la organización de las Naciones Unidas. La ayuda de España al Programa Especial de Seguridad[...]
09/09/2014
País: Honduras
Tipo Noticias
Durante el encuentro, que se desarrolló en el Auditorio del Ministerio de Agricultura, Ganadería y Pesca, la cuestión del tratamiento en la Cámara de Diputados de la ley de Agricultura Familiar ocupó el primer lugar del temario, casi a la par con la “necesaria visibilización” de los productores familiares en[...]
08/09/2014
País: Argentina
Tipo Noticias
El ministro de Agricultura, Ganadería y Pesca de la Nación, Carlos Casamiquela, destacó hoy la instrumentación de políticas diferenciadas para los pequeños productores como herramienta de inclusión y arraigo. Y aseguró: "Fueron los gobiernos de Néstor Kirchner y Cristina Kirchner quienes les han dado mayor visibilidad a los agricultores en[...]
08/09/2014
País: Argentina
Tipo Noticias
Ghana is recording “a lot of progress” in agricultural development despite the obvious challenges, the Country Representative of the Food and Agriculture Organisation (FAO), Dr. Lamourdia Thiombiano, has said in an exclusive wide-ranging interview with the Business & Financial Times.
12/09/2014
País: Ghana
Tipo Noticias
Un proyecto de agricultura familiar es impulsado por el Parlamento Latinoamericano (Parlatino) entre los 23 países miembros del organismo ante la crisis alimentaria mundial con el apoyo de la Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y Agricultura (con siglas en inglés FAO).
11/09/2014
País: Panama
 
2014 Ano Internacional da Agricultura Familiar
 
 
Tipo Noticias
P4P has assisted smallholders in Burkina Faso to improve post-harvest handling, increase yields and improve crop quality. This has enabled farmers’ organizations to market their surplus to private sector and institutional markets. Continue reading to learn five facts about progress made in Burkina Faso.
11/09/2014
País: Burkina Faso
Tipo Artigo
Organização: WFP
Home Grown School Feeding programmes implemented by governments with the support of partners, including the World Food Programme (WFP), are increasingly providing assured markets for smallholder farmers. At least half of the 20 Purchase for Progress (P4P) pilot countries report linking smallholder farmers’ organizations to school feeding programmes. By strengthening[...]
11/09/2014
Tipo Artigo
Organização: WFP
El 40% de los hogares del mundo depende de la agricultura familiar, mientras que en Bolivia, los campesinos cubren casi el 75% de la demanda alimentaria de las ciudades y el resto proviene de la agroindustria.
08/09/2014
País: Bolivia
Tipo Noticias
 http://www.fao.org/family-farming-2014/events/coming-events/pt/
 

Sementes da Duvida



 
Seeds of Doubt Conference
The 3rd Global GMO Educational Event of the Year


October 11, 2014 with Jeffrey Smith in Colorado, 8:00am – 6:00pm

World-renowned experts, professional and local authorities will present the latest scientific research on GMOs and their impact on our health and the environment.
Speakers include:  Jeffrey M. Smith - Best-selling author of Seeds of Deception and Genetic Roulette; Don Huber, PhD - Emeritus Professor of Plant Pathology, Purdue University; Michael Antoniou, PhD Dept of Medical and Molecular Genetics Kings College School of Medicine, London, co-author “GMO Myths & Truths”; Gilles-Eric Séralini, PhD - Molecular Biology Professor at Caen University, France; Dave Murphy - Founder and executive director of Food Democracy Now;  Robyn O’Brien - author of “The Unhealthy Truth”,  Steven Druker - public interest attorney who founded the Alliance for Bio-Integrity, author of “Altered Genes, Twisted Truth”; Dr. Jill Carnahan, MD - Flatiron Functional Medicine Boulder Colorado, A Physicians perspective: How growing up a farmer’s daughter inspired me to make a difference; Mike Callicrate - Organic Farmer, Callicrate Cattle Company, and more to follow…..
Conference Objectives:
  • How to feed your family choosing Non-GMO Ingredients and how to keep your family Safe!
  • Practical strategies to address the growing health concerns of GMOs
  • How to encourage and promote labeling and truth in advertising
  • Hear from medical doctors and experts
  • Present the scientific research surrounding the environmental impact of GMO’s
  • How the increasing prevalence in GMOs correlate to increased environmental toxicity
  • The economic impact of GMOs and how it affects our agricultural system
  • Uncovering how we got here and where we go now….tracing the history of GMOs
  • Discussion about the political lobbying and influence surrounding GMOs
Learn how to better protect yourself, your children, and those you love from what is quickly becoming the most dangerous & dramatic health threat to affect our planet.
Location: Omni Interlocken Resort & Spa, 500 Interlocken Boulevard, Broomfield, CO 80020
Cost:   $ 79.00 (lunch included), VIP Seating available
Seating is Limited – Register Early
www.SeedsofDoubtConference.com

Thanks!  In This Together!
Safe eating begins with INFORMED eating!
The small but mighty IRT team!



GET INVOLVED
Genetic Roulette | Shopping Guide | Donate | FAQs | About IRT | Unsubscribe

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Anteprojeto sobre agrobiodiversidade ignora direitos de agricultores familiares e indígenas

Confira o artigo de Juliana Santilli que critica anteprojeto de lei elaborado pelo Ministério da Agricultura sem nenhuma consulta a organizações da sociedade civil e movimentos sociais. Acesse com exclusividade aqui no site do ISA proposta do ministério que ainda não tinha vindo a público. Juliana Santilli é promotora de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, sócia fundadora do ISA e autora do livro “Agrobiodiversidade e Direitos dos Agricultores” (Ed. Peirópolis, 2009)
Juliana Santilli
O Ministério da Agricultura (Mapa) elaborou um anteprojeto de lei para regular o acesso e o uso da agrobiodiversidade. A proposta desrespeita e restringe os direitos dos agricultores familiares, populações indígenas, tradicionais e locais, que são os principais responsáveis pela conservação e uso sustentável da biodiversidade agrícola brasileira. O anteprojeto foi elaborado sem qualquer participação das organizações e dos movimentos sociais representativos dessas comunidades. (O anteprojeto e sua exposição de motivos não eram conhecidos do público e podem ser acessados aqui).
Trata-se de uma proposta elaborada exclusivamente pelo e para o agronegócio, e sem qualquer consulta aos demais atores sociais que compõem o rico e complexo universo agrário e agrícola brasileiro. A própria exposição de motivos do anteprojeto reconhece que o texto “foi amplamente discutido com instituições representativas do agronegócio” – como a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) e a Frente Parlamentar da Agropecuária – e que “obteve apoio” de todas essas organizações.
E as organizações representativas da agricultura familiar, tradicional e agroecologica? Foram simplesmente ignoradas em um anteprojeto que pretende nada menos do que regular “o acesso ao patrimônio genético destinado à alimentação e à agricultura, aos conhecimentos tradicionais associados, a repartição de benefícios para a sua conservação e uso sustentável”, bem como “implementar os direitos de agricultor previstos no Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura (TIRFAA)”.
A proposta nega direitos aos agricultores, ao afirmar expressamente que: “o acesso à variedade tradicional, local ou crioula ou à raça localmente adaptada ou crioula para as finalidades de alimentação e de agricultura compreende o acesso ao conhecimento tradicional associado e não depende da anuência do agricultor tradicional que cria, desenvolve, detém ou conserva a variedade ou raça” (art.5º, §1º, negritos nossos). A justificativa da exposição de motivos para isso é de que “não importa qual o povo ou comunidade que ‘inventou’ o recurso genético”.
A agrobiodiversidade passa a ser considerada pelo anteprojeto como “bem da União” (art.2º), gerido única e exclusivamente pelo Mapa (art.4º, caput) e sem qualquer participação dos agricultores e de suas organizações. Caberá também unicamente ao Mapa definir como aplicar os recursos destinados à implementação dos direitos de agricultor (art.4º, IX). Ou seja, os agricultores e suas organizações não terão qualquer direito de decidir sobre as formas de utilização de eventuais recursos que lhes sejam destinados por meio do Fundo Federal Agropecuário, administrado também exclusivamente pelo Mapa e sem qualquer participação social.
Promessas vagas
O anteprojeto não prevê benefícios e incentivos concretos para que os agricultores mantenham suas práticas que geram e enriquecem a biodiversidade agrícola. A proposta do Mapa limita-se a promessas vagas de dar preferência na participação em programas governamentais (art.9º do anteprojeto) e de acesso a uma pequena parcela dos recursos do Fundo Federal Agropecuário (art.6º).
Além de vagas, tais promessas restringem-se aos agricultores “que criam, desenvolvem ou detêm variedades tradicionais ou crioulas” (art.9º, caput). Ora, a todos os agricultores familiares, tradicionais e locais – independente de desenvolver ou não variedades tradicionais – deve ser assegurado o direito de acessar material genético conservado por instituições públicas, de participar de programas públicos de custeio agrícola, de apoio à criação de bancos de sementes locais, de reintrodução de variedades locais etc (art. 9º, IV, V, VI, VII e VIII). Não se trata de qualquer benefício especial, mas de direitos a ser assegurados a todos os agricultores que promovem a conservação da agrobiodiversidade.
A contribuição dos agricultores para a conservação da agrobiodiversidade não se limita ao desenvolvimento de variedades locais, ainda que estas tenham grande importância para a biodiversidade agrícola e a segurança alimentar. Os sistemas agrícolas locais e tradicionais compreendem um rico conjunto de conhecimentos, inovações, práticas de manejo, cultivo e seleção de espécies agrícolas, desenvolvidas pelos agricultores, que geram a enorme diversidade de plantas cultivadas e de agroecossistemas em nosso país. Esses conhecimentos, práticas e inovações são um componente-chave da agrobiodiversidade e não podem ser ignorados por um anteprojeto que pretende regular o acesso e o uso da agrobiodiversidade brasileira.
Se, por um lado, o anteprojeto não recompensa devidamente os agricultores, por outro lado, prevê diversos incentivos fiscais e creditícios (artigos 12 e 13) para as empresas que “investirem em pesquisa e desenvolvimento com agrobiodiversidade nativa”. Trata-se de mais um equívoco do anteprojeto, pois os incentivos à pesquisa e ao desenvolvimento de produtos e processos que agreguem valor à agrobiodiversidade nativa devem promover as inovações desenvolvidas pelos agricultores.
Tratado internacional
Os direitos dos agricultores, de natureza coletiva (como o próprio anteprojeto reconhece), não podem ser implementados de forma tão limitada. Trata-se de uma interpretação distorcida e restritiva do Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura (TIRFAA), já ratificado pelo Brasil e que o anteprojeto pretende regulamentar no plano nacional (clique aqui para acessar o tratado).
O TIRFAA reconhece os direitos dos agricultores de forma bem mais ampla. O tratado dedica todo o art. 9º ao reconhecimento dos direitos dos agricultores, estabelecendo que: “as partes contratantes (os países que ratificaram o Tratado, como o Brasil) reconhecem a enorme contribuição que as comunidades locais e indígenas e os agricultores de todas as regiões do mundo, particularmente dos centros de origem e de diversidade de cultivos, têm realizado e continuarão a realizar para a conservação e para o desenvolvimento dos recursos fitogenéticos, que constituem a base da produção alimentar e agrícola em todo o mundo”.
O tratado estabelece ainda que a responsabilidade de implementar os direitos dos agricultores é dos países, que devem adotar medidas para proteger e promover os direitos dos agricultores, inclusive:
(a) proteção do conhecimento tradicional relevante aos recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura;
(b) o direito à repartição equitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura; e
(c) o direito de participar na tomada de decisões, em nível nacional, sobre assuntos relacionados à conservação e ao uso sustentável dos recursos fitogenéticos para a alimentação e a agricultura.
Repartição de benefícios
O anteprojeto nega os direitos dos agricultores sobre os seus conhecimentos tradicionais associados à agrobiodiversidade (art.5º, §1º). Ao regular a repartição de benefícios decorrentes da exploração econômica de produto oriundo da agrobiodiversidade, a proposta deixa a cargo exclusivo do usuário escolher a modalidade de repartição dos benefícios: quem utiliza os recursos da agrobiodiversidade para fins comerciais ou industriais é que escolhe como vai repartir os benefícios gerados, sem que qualquer poder de decisão seja atribuído aos detentores dos recursos e conhecimentos associados à agrobiodiversidade (art.6º caput).
O anteprojeto considera como uma das formas de repartição de benefícios (a ser escolhida pelo usuário) a simples produção do produto (oriundo da agrobiodiversidade) no país (art.6º, I), independentemente de ser comercializado e/ou protegido por direitos de propriedade intelectual Entre as demais formas de repartição de benefícios, ainda estão previstas a disponibilização do produto sem restrição para pesquisa e melhoramento, o licenciamento livre de ônus, a distribuição gratuita de produtos em programas de interesse social (art. 6º, II, III e IV). Entretanto, diante da possibilidade de que o usuário opte pela repartição de benefícios por meio unicamente da produção do produto no país, é pouco provável que as demais modalidades de repartição de benefícios venham a ser implementadas.
O usuário pode ainda optar por repartir os benefícios pelo pagamento de uma parcela anual de 0,3% da receita ou rendimento líquido obtido com a exploração econômica do produto (art.6º, VI). Tal parcela será depositada no Fundo Federal Agropecuário e será destinada à implementação dos direitos de agricultor. Certamente, haverá pouquíssimos recursos destinados à implementação desses direitos, pois as demais modalidades de repartição de benefícios descritas acima, e que podem ser livremente escolhidas pelos usuários, tendem a ser menos onerosas.
Participação limitada
O anteprojeto também limita a participação dos agricultores na tomada de decisões a assuntos relacionados “à conservação e utilização sustentável das variedades tradicionais, locais ou crioulas, ou das raças localmente adaptadas ou crioulas” (art.9º, III). Ora, o tratado da FAO (art. 9º, c) não restringe o direito de participação dos agricultores às políticas públicas relacionadas a variedades tradicionais, locais ou crioulas. Tal direito deve ser compreendido de forma ampla e inclusiva e abarcar quaisquer decisões políticas que produzam impactos sobre a agrobiodiversidade nativa e sobre os sistemas agrícolas locais que a conservam e enriquecem. Isto inclui a participação das organizações representativas dos agricultores nos órgãos responsáveis pela elaboração e implementação de políticas de gestão da agrobiodiversidade, que não podem ficar unicamente a cargo do Mapa.
Além disto, o anteprojeto, apesar de afirmar, em sua exposição de motivos, que “se baseia na filosofia do TIRFAA”, em momento algum preocupa-se em implementar as disposições do tratado sobre a conservação e a utilização sustentável da agrobiodiversidade, diretamente associadas à implementação dos direitos dos agricultores familiares, locais e indígenas.
O tratado prevê expressamente a obrigação de todos os países signatários, como o Brasil, de “promover ou apoiar os agricultores e as comunidades locais no esforço de manejo e conservação on farm [no campo] de seus recursos fitogenéticos para alimentação e agricultura”, assim como de “promover a conservação in situdos parentes silvestres de plantas cultivadas, inclusive em áreas protegidas, apoiando, entre outros, os esforços das comunidades indígenas e locais” (art. 5º, c e d).
Além disto, o tratado prevê a obrigação dos países de “promover o fitomelhoramento com a participação dos agricultores, particularmente nos países em desenvolvimento, a fim de fortalecer a sua capacidade para o desenvolvimento de variedades especialmente adaptadas às condições sociais, econômicas e ecológicas, inclusive nas áreas marginais” (art.6º c). Outra obrigação dos países é de “fortalecer a pesquisa que promova e conserve a diversidade biológica, maximizando a variação intraespecífica e interespecífica em benefício dos agricultores, especialmente daqueles que geram e utilizam suas próprias variedades e aplicam os princípios ecológicos para a manutenção da fertilidade do solo e o combate a doenças, ervas daninhas e pragas (art.6º b).
Nenhuma dessas obrigações assumidas pelo Brasil em relação à conservação on farm e in situ e à utilização sustentável da agrobiodiversidade são sequer mencionadas pelo anteprojeto, apesar de sua enorme importância para os agricultores, para a sustentabilidade socioambiental da agricultura, para o enfrentamento das mudanças climáticas e para a segurança alimentar e nutricional de toda a sociedade.
Protocolo de Nagoya
Finalmente, a exposição de motivos do anteprojeto faz uma afirmação equivocada: a de que a legislação nacional deverá definir normas não só para o acesso “aos recursos genéticos da agrobiodiversidade brasileira por outros países”, como para “o acesso aos recursos genéticos de espécies exóticas por instituições nacionais”.
Ocorre que as condições para o acesso aos recursos genéticos exóticos (originários de outros países), como a soja e cana-de-açúcar, serão determinadas pela legislação do país de origem desses recursos, e não pela legislação brasileira. Alguns setores ligados ao agronegócio têm se posicionado no Congresso Nacional contra a ratificação do Protocolo de Nagoya, que visa promover a implementação do terceiro objetivo da Convenção da Diversidade Biológica (CDB): a repartição justa e equitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos genéticos (e dos conhecimentos tradicionais associados). Os setores contrários à ratificação do Protocolo de Nagoya argumentam que a exclusão da soja do sistema multilateral (de acesso facilitado) do tratado criará dificuldades para que as instituições brasileiras acessem recursos genéticos da soja, originária da China, para fins de pesquisa e melhoramento genético.
Esses argumentos não têm fundamento, pois as condições para o acesso aos recursos genéticos da soja serão determinadas pela legislação chinesa, e não pelo Protocolo de Nagoya. Ao ratificar o protocolo, o Brasil estará se comprometendo a respeitar a legislação da China, que – independentemente da assinatura ou não protocolo pelo Brasil – poderá editar normas nacionais sobre o acesso aos seus recursos fitogenéticos de soja. Assinando ou não o Protocolo de Nagoya, o Brasil não poderá violar a soberania da China sobre os seus recursos naturais e fazer coleta de recursos genéticos da soja encontrados em condições in situ no território chinês. Evidentemente, o Protocolo de Nagoya só produzirá efeito após a sua entrada em vigor, o que não ocorreu ainda, e não implicará obrigações em relação às variedades de soja já desenvolvidas no Brasil.
Por outro lado, ao deixar de ratificar o Protocolo de Nagoya, o Brasil revela não apenas uma grande incoerência em seus posicionamentos internacionais – pois trabalhou ativamente pela aprovação do protocolo, e depois pode não ratifica-lo internamente – como também perde oportunidades importantes de auferir benefícios (monetários e não monetários) pela exploração do seu rico e diversificado patrimônio genético.
Fonte: http://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-ppds

Agroecologia: Mitos

SAGA DA AMAZÔNIA - Vital Farias

Vivemos em um mundo desagradável, onde não apenas as pessoas, mas os poderes estabelecidos têm interesse em nos comunicar afetos tristes. A tristeza, os afetos tristes são todos aqueles que diminuem nossa potência de agir. Os poderes estabelecidos têm necessidade de nossas tristezas para fazer de nós escravos.

O tirano, o padre, os tomadores de almas, [os pastores de rebanhos], têm necessidade d
e nos persuadir de que A VIDA É DURA E PESADA. Os poderes têm menos necessidade de nos reprimir do que de nos angustiar, ou, como diz Virgilio, de administrar e organizar nossos pequenos terrores íntimos (...)

Não é fácil ser um homem livre: fugir...aumentar a potência de agir, afetar-se de alegria, multiplicar os afetos que exprimem ou envolvem um máximo de afirmação. Fazer do corpo uma potência que não se reduz ao organismo, fazer do pensamento uma potência que não se reduz à consciência.
Deleuze/O.Pinho